Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies


Notícias

Palestra do Instituto SENAI de Inovação em Engenharia de Superfícies em nosso Instituto.

quarta-feira, 10 de abril de 2013 11:15

No dia 4 de abril, o doutor Alexandre Martins Barros, diretor do Instituto SENAI de Inovação (ISI) em Engenharia de Superfícies, proferiu um seminário na seção UCS no Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies para cerca de 30 estudantes e professores da área de Materiais.Na palestra, Barros apresentou o conceito e missão dos ISIs e comentou as oportunidades de carreira que o ISI que ele dirige oferece para mestres e doutores.

Os ISIs são 23 institutos ligados ao SENAI que estão sendo montados em diversos estados das quatro regiões brasileiras. Diferentemente dos Institutos Senai de Tecnologia, a infraestrutura física dos ISIs será adequada à prestação de serviços avançados.

A missão dos ISIs é, principalmente, a de operar como elos entre instituições de pesquisa e empresas. Para isso, esses institutos assumirão participação ativa em fases intermediárias do desenvolvimento de inovações, principalmente na validação tecnológica do conhecimento gerado em instituições de pesquisa, no desenvolvimento do protótipo e na definição do produto. Dessa maneira, os novos institutos do SENAI cumprirão uma função que é difícil de realizar para a indústria, mas que não faz parte da missão da universidade. "A função da universidade é formar recursos humanos e descobrir fenômenos científicos", disse Barros.

O diretor do ISI em Engenharia de Superfícies tem cerca de dez anos de experiência de trabalho na academia e outros dez na indústria. Barros realizou a graduação em Engenharia Metalúrgica no Centro Universitário da FEI e o mestrado e o doutorado na Escola Politécnica da USP, também na área de Metalurgia. Depois dessa formação técnico-científica realizou uma série de cursos de formação gerencial, principalmente na metodologia de melhoria de processos Seis Sigma, na qual é "Black Belt", e trabalhou durante sete anos na Ford, de onde saiu para assumir a direção do ISI em Engenharia de Superfícies.

Na palestra, o diretor opinou que os problemas de comunicação entre as universidades e as empresas são responsáveis em grande parte pelo fracasso de projetos que envolvem ambos os lados. O palestrante ilustrou esse conceito com alguns exemplos reais, como o de um estudo técnico sobre falhas na produção encomendado por uma multinacional a uma universidade. "O relatório estava arquivado sem ter sido utilizado porque os responsáveis na empresa não compreendiam o conteúdo", contou Barros. "Com a presença de um doutor na empresa, o documento foi tirado do arquivo morto, interpretado e aplicado; e esse relatório que tinha custado 7 mil reais à empresa deu fim a perdas de 1,5 milhão de dólares por ano", completou.

Minério de ferro versus iPad

A criação dos ISIs foi anunciada em 2012 e responde à necessidade que o Brasil tem de gerar valor econômico para o país a partir do conhecimento desenvolvido no país, colocando no mercado produtos de maior valor agregado. De acordo com um exemplo apresentado por Barros, em termos de balança comercial, para importar apenas um iPad, que pesa menos de um quilo, o Brasil deve exportar dez toneladas de minério de ferro.

Para ajudar a mudar esse panorama, segundo Barros, os ISIs devem estimular a formação de "empresas spin-off que gerem produtos e serviços com conhecimento científico de alto impacto por trás". Os institutos também devem cumprir a função de elo entre empresas já existentes e universidades.

Para realizar com eficiência essas funções, os ISIs do SENAI contam com uma parceria com uma das instituições mais bem-sucedidas no mundo em realizar intermediações desse tipo, o Instituto Fraunhofer. O instituto alemão vai transferir know-how aos ISIs.

Os ISIs atuarão em oito áreas prioritárias do conhecimento, sendo uma delas a Engenharia de Superfícies. O ISI dedicado à Engenharia de Superfícies está localizado em Belo Horizonte (MG), mas, assim como os demais institutos, deve atender demanda em nível nacional. "Nosso ISI está em fase de construção do prédio e de formação da equipe, a qual já conta com oito bolsistas e três funcionários, doutores, que atuam em nível gerencial", disse Barros.

Veja também:

PPT da palestra de Alexandre Martins Barros.

O anúncio das vagas de emprego atuais do ISI em Engenharia de Superfícies.

Fonte: Gerência de Comunicação do Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies

Galeria de imagens

Palavras-chave: 2013, engenharia de superfície, engenharia de superfícies, Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies, ISI, martins barros, notícia, seminário, senai, tratamentos a plasma, tribologia, UCS

Adicione aos seus favoritos e compartihle


Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies O Instituto, Serviços, Faça Parte, Fale Conosco

Engenharia de Superfícies Notícias, Artigos e Patentes, Midiateca, Eventos, Blog

Creative Commons License Conteúdo licenciado pelo Creative Commons

O Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies é um dos Institutos Nacionais de Ciência e Tecnologia (INCTs) do CNPq

Apoio

Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico

O Instituto Nacional de Engenharia de Superfícies, um dos INCTs do CNPq, reúne e articula em nível nacional os melhores recursos humanos e de infraestrutura em engenharia de superfícies. O instituto propõe uma estreita colaboração entre grupos de pesquisa e sistemas produtivos a serviço do crescimento sustentável do Brasil pela via da inovação tecnológica.

Desenvolvido por TUA Tecnologia